sexta-feira, 8 de Agosto de 2014

"Com papas e bolos se enganam os tolos"

As nossas Life Changing Crackers no instagram

Em junho a nossa rotina mudou radicalmente. O Vel abraçou um novo projecto, o Maus Amigos Gastropub, e as refeições em casa passaram a ser só para uma pessoa: euzinha.
Pois é, nada demais.
Diriam vocês.
E diria eu.
Mas a verdade é que dei por mim a jantar, consecutivamente, gelado com fruta e a fazer sandes para o almoço do dia seguinte.
Os porquês de tal chilique? Era bom, fácil, rápido, não envolvia cozinhar e não sujava muita loiça!
Até que chegou o dia em que disse alto e bom som: Ondina Maria, põe-te fina que isto não pode ser assim. Deixa lá a preguicite aguda de não querer cozinhar apenas para uma pessoa e volta a entrar nos eixos!
No seguimento desta minha epifania dei de caras (ele há coisas do camandro!) com este post. E pronto, epifania número dois (em tempos li, algures, que o Universo traz-nos aquilo que procuramos e, embora não tenha estado muito atenta a isso, a verdade é que desta vez era impossível não reparar).
Foi então que começaram as transições.

Mas o que é que realmente já mudou?

Em primeiro lugar, foi abandonar a toleirice do gelado com fruta ao jantar. E evitar tudo o que tenha açúcares refinados e adicionados.
A mulher está louca, pensam vocês!
Pois é, mas se considerarmos a quantidade estúpida de açúcar que entra em quase tudo e mais alguma coisa (é só ler os rótulos nos supermercados com olhinhos de ver, upa upa!), se calhar podemos abdicar de umas quantas consideradas inocentes e que fazem parte do nosso dia-a-dia.
No entanto, por aqui não há extremismo: se for dia de festarola rija com a família e amigos e me apetecer, claro que trinco o meu docinho, que não estou para sofrer sem necessidade. Mas a verdade é que também não me tem apetecido. A maioria dos alimentos já tem uma determinada quantidade de açúcar que lhes é inerente e suficiente - a natureza, ao contrário de nós, é perfeita, lembram-se?

A outra coisa que mudou foi o paladar.
É treta, dizem vocês a revirar os olhinhos!
Pois não é. Na passada sexta foi o aniversário da minha tia e ao jantar bebi um copo de vinho rosé. Espanto dos espantos, o vinho era super doce! No final comi apenas 1 colher de bolo de aniversário, que misturei com framboesas e que me pareceu super doce também. Se podia ter comido a fatia toda? Podia, claro! Duas até. Mas simplesmente não me apeteceu...

Os ataques de gula também mudaram. Ou melhor, desapareceram. Enquanto que antes era capaz de atacar o frasco dos Reese's como se não houvesse amanhã, hoje em dia dou por mim a ignorá-los por completo, apesar de estarem bem no centro da mesa da sala, ali à mãozinha de semear!

Há prevaricações saudáveis?

Claro que sim!
Por exemplo, no outro dia apeteceu-me uma sobremesa que não fosse apenas fruta. Então esmaguei uma banana, adicionei-lhe uma colher de sopa de coco ralado e uma colher de chá de cacau puro e soube-me pela vida. E sim, era suficientemente doce!
Se tiver necessidade de adoçar alguma coisa, vou recorrer ao mel ou ao xarope de ácer (sem açúcares invertidos e aos pinotes, que isso é tudo falso!).
Continuo a comer a minha granola caseira, que é adoçada com 1c.sopa de mel - quantidade muito inferior quando comparada com os cereais de compra!
Ou quando me apetece leite com chocolate e café, ao pequeno almoço, lá vou eu resgatar o Bolero e o cacau puro. E não há qualquer necessidade de adicionar açúcar nenhum.
O pão é barrado com manteigas de frutos secos caseiras (amendoim, avelã, avelã e cacau, amêndoa, etc.) sem adição de qualquer adoçante. Ou então queijos e/ou fiambres. Ou compotas frias (sem serem adoçadas).
Creme de cacau e abacate (em breve por aqui)!
O meu "pão" de banana favorito, feito totalmente com farinha integral (receita por cá muito, muito em breve)!
Os gelados de fruta feitos com iogurte ou os sorvetes: a fruta madura tem o açúcar necessário, mas para os mais gulosos, podem sempre adicionar uma pequena (e tem que ser mesmo pequena, seus garganeiros!) quantidade de mel ou xarope de ácer. Podem misturar ervas aromáticas para diversificar os sabores, enfim... inúmeras possibilidades.
O quadradinho de chocolate negro acima dos 70% de cacau para raspar por cima da fruta, dos cereais ou para simplesmente para deixar derreter dentro da boca :)
E mais umas quantas delícias que vou passar a partilhar convosco, como as minhas versões (na foto) das deliciosas Life Changing Crackers da Sarah - se o Life Changing Bread (aqui e aqui) já era um favorito, estas crackers têm tido destaque diário no snack da manhã!

O que se segue?

Substituir totalmente (ou quase!) os cereais refinados por integrais. Se isso já acontece no pão e em alguns doces, a verdade é que no arroz e nas massas ainda há stock de produtos refinados. À medida que forem acabando, vão sendo substituídos pelas versões integrais.
Já estou a ver o vosso ar desconsolado! Massa integral? Perguntam com ar horrorizado...
Sim. É boa. Só tem é que ser cozinhada da forma correcta, como aliás tem que ser a massa normal, para não ficar nem colada nem empapada!

Diversificar ainda mais a alimentação. Consumir cada vez mais cereais e leguminosas diferentes, variar ainda mais os legumes (que devem constituir a maior porção das refeições) consoante a estação do ano, comprar peixe e carne mediante a oferta sazonal, comer cada vez mais alimentos o mais naturais possível e da melhor qualidade possível (consoante o orçamento permitir), produzidos de forma sustentada para que possamos manter o ecossistema feliz: não é bonito cuspir no prato que nos dá de comer, certo?
Continuar a usar e abusar da enorme variedade de ervas e especiarias.
Experimentar cada vez mais culinárias de países diferentes: as receitas tradicionais têm muito para nos ensinar, especialmente no que toca a combinações de alimentos que dão ao nosso organismo os nutrientes que ele realmente precisa (e não aqueles que o lobby da indústria alimentar nos quer fazer pensar que precisamos!).
Utilizar mais alimentos germinados e fermentados.

E tudo isto vem de encontro aos pilares da nossa querida e adorada Dieta Mediterrânea (ver aqui e aqui), pelo que muitas das pequenas alterações que continuam a acontecer por cá fazem parte de um processo pessoal baseado numa escolha consciente em torno de um modo de vida mais saudável, mais natural e mais feliz :)

Leituras e inspirações



quarta-feira, 30 de Julho de 2014

Pizza de beringela e courgette amarela | Aubergine and yellow courgette pizza


(scroll down for English)

Da visita semanal ao mercado biológico vieram beringelas e courgettes amarelas. Lindas. E já durante as compras a mente fervilhava: rechear e assar? Rechear e estufar? Cortar à rodelas? Ai ai ai...
Uma das courgettes foi cortada em tirinhas e, juntamente com rúcula, queijo feta, oregão secos, pimenta moída na hora e azeite, animou um belo esparguete. A outra foi recheada e estufada num molho delicioso. E a ultima courgette casou com uma das beringelas nesta deliciosa pizza.

Pizza de beringela e courgette amarela

6 pães pita (caseiros ou congelados)
1 courgette amarela redonda
1 beringela
2 queijos de cabra Bilores
Oregãos secos
Pimenta moída na hora
Azeite

Colocar os pães pita num tabuleiro untado com azeite. Dispor em cada pão rodelas de courgette e beringela, alternadas. Polvilhar com o queijo esfarelado e temperar com oregãos e pimenta. Salpicar com azeite e levar ao forno pre-aquecido a 220º C até estarem douradinhas (cerca de 15 a 20 mins).


From the weekly visit to the organic farmers market came the aubergines and yellow courgettes. Just beautiful. During the shopping the mind was already sizzling with ideas: stuff and roast? Stuff and stew? Slice? Ai ai ai... decisions!
One of the courgettes was sliced at length in a mandoline and, together with arugula, feta cheese, dry oregano, freshly ground pepper and evoo turned a simple spaghetti dish into a star. The other was stuffed and stewed in a delicious sauce and the last one paired with one of the aubergines in this delicious pizza.

Aubergine and yellow courgette pizza

6 pita breads (homemade or frozen)
1 yellow round courgette
1 aubergine
2 hard small goat cheeses
Dried oregano
Freshly ground pepper
Evoo

Place the pita breads in a tray greased with evoo. Top each pita with alternated slices of courgette and aubergine. Sprinkle with the crumbled cheese and season with oregano and pepper. Drizzle with evoo and leave in the pre-heated oven at 220º C until golden (15-20mins).

quarta-feira, 23 de Julho de 2014

Wednesday picks | Miss Foodwise

Photo @ Miss Foodwise

Regula e a sua paixão pela comida e cultura Britânicas trazem-me sempre boas lembranças gastronómicas. Venham conhecer Miss Foodwise!

Photo @ Miss Foodwise

Regula and her love for all things British (food and culture) bring me back so many delicious gastro-memories... God save Miss Foodwise!

Photo @ Miss Foodwise

terça-feira, 15 de Julho de 2014

Giveaway Depositário




Nada melhor do que um passatempo para darmos as boas-vindas às férias grandes. Assim sendo, juntamo-nos à simpática equipa da Depositário para vos oferecer uma linda tábua, perfeita para todos os petiscos que estes dias de Verão nos prometem! 
Mas antes de concorrerem, passem pela página da Depositário e deixem-se apaixonar pelas peças encantadoras que estão à distância de um click. Fácil, não é?

There’s nothing better than a Giveaway no welcome the Summer Holidays. Having that in mind, we got together with the super nice Depositário team to offer you a lovely wooden board, perfect for all the snacks promised by the holidays!
But before enrolling, please stop by at Depositário's website and fall in love with the beautiful items that are just a click away. Easy, isn't it?

 


Como participar?
How to enroll?

1. Gostar da página no Facebook da Depositário
2. Gostar da página no Facebook do Coentros&Rabanetes
3. Partilhar publicamente esta publicação no vosso perfil


1. Like the Depositário Facebook page
2. Like the Coentros& Rabanetes Facebook page 
3. Publicly share this publication on your profile

O passatempo, a decorrer no Facebook, começa hoje e termina a 24 de julho às 23:59, sendo válido apenas para os residentes na Europa.
O vencedor será escolhido através de um sorteio do random.org e o seu nome anunciado na nossa página do Facebook a 25 de Julho. Deverá então entrar em contacto com a Depositário para que lhe seja enviada esta belíssima tábua em madeira de pinho, 45x14x20 cm, com acabamento queimado e impregnação a óleo mineral (apropriado para contacto com alimentos).


The giveaway, on Facebook, starts today, ends on July 24th at 11:59 pm and is valid for Europe residents. 
The winner will be chosen through random.org and the name will be announced on our Facebook page on July 25th. The winner will then contact Depositário to arrange for the delivery of this gorgeous board in pine wood, 45x12x20 cm, flame finished and impregnated with mineral oil (food-safe).



Boa sorte para todos e boas petiscadas!
Good luck and happy snacks for everyone!

Nota: fotos por Depositário
Note: photos by Depositário

segunda-feira, 7 de Julho de 2014

Bolo Picado de Abelha | Bee Sting Cake



(scroll down for English)

Um clássico cá de casa com cara renovada. Inverno ou Verão, não há estação que lhe seja indiferente. Um bolo perfeito. Sempre!

Picado de Abelha
(adaptado pela minha mãe da revista Vaqueiro n.º 35 de Janeiro de 1997)

Massa:
100g Vaqueiro líquida
100g açúcar
1 ovo
Sal
3 c. sopa de leite
250g farinha
1 c. chá fermento em pó

Cobertura:
125g manteiga
150g açúcar
150g amêndoa palitada
5 c. sopa de leite

Bater a Vaqueiro líquida com o açúcar. Juntar o ovo, uma pitada de sal, o leite e misturar bem. Adicionar a farinha peneirada com o fermento e mexer para ligar os ingredientes. Deitar a massa numa forma de tarte previamente forrada com papel vegetal e untada. Preparar a cobertura levando ao lume a manteiga com o açúcar, as amêndoas palitadas e o leite. Deixar levantar fervura e deitar sobre a massa que se encontra na forma. Levar ao forno durante cerca de 30 mins a 220º C (a meio da cozedura poderá ser necessário cobrir com folha de alumínio para as amêndoas não torrarem demais).


An all times favorite with a facelift. Winter or Summer, no season is complete without it. A perfect cake. Always.

Bee Sting Cake
(adapted by my mother from the magazine Vaqueiro n.º 35 January 1997)

Cake:
100g liquid margerine
100g sugar
1 egg
Salt
3 tbsp milk
250g flour
1 tsp baking powder

Topping:
125g butter
150g sugar
150g flaked almonds
5 tbsp milk

Beat the liquid margerine with the sugar. Add the egg, pinch of salt, the milk and mix thoroughly. Sift in the flour and whisk to bond the ingredients. Pour the dough into a previously greased spring form tin with baking paper. Prepare the topping by heating the butter with the sugar, almonds and milk. Leave to boil and remove from the heat straight away. Pour over the cake dough and leave in the pre-heated oven at 220º C for 30mins (midway, iy might be necessary to cover the cake with foil, to avoid burning the almonds).

quarta-feira, 2 de Julho de 2014

Sopa púrpura | Purple soup


(scroll down for English)

Chovisca. Chove. Troveja. Cá dentro há calor, protecção, coisas boas. A cozinha cheira bem e a magia acontece em cada pequeno passo, em cada movimento. Da mercearia da esquina veio a couve-flor. Roxa. Linda, linda, linda. As cebolas, roxas também, fizeram-lhe logo olhinhos. Foi paixão assolapada à primeira vista. E à primeira colherada!


Sopa de couve-flor e cebola roxas

500g de couve-flor roxa
2 cebolas roxas
Água
Sal e pimenta
Azeite

Partir a couve-flor em raminhos e cortar cada cebola em 8 partes. Colocar no copo da Philips Soup Maker, temperar com sal e pimenta moída na hora e cobrir com água até à marca inferior. Escolher o programa para Sopa Passada. Servir com um fiozinho de azeite.


It drizzles. It rains. It roars. Inside there's warmth, protection, great things. The kitchen smells heavenly and the magic happens in each little step, in each movement. From the grocery came the cauliflower. Purple. Beautiful. The onions, purple as well, glanced over them. It was love at first sight. And at first spoonful!


Purple cauliflower and onion soup

500g purple cauliflower
2 purple onions
Water
Salt and pepper
Evoo

Break the cauliflower into florets and slice each onion in 8 parts. Place them in the Philips Soup Maker vessel, season with salt and freshly ground pepper and cover with water until the lower mark. Choose the Creamy Soup Program. Serve drizzled with evoo.


domingo, 15 de Junho de 2014

Bolo de azeite e espinafres | Olive oil and spinach cake


(scroll down for English)

O verde que nos inspira e que se respira. Subidas à serra admirando os prados verdejantes que se entendem no vale. Repastos ao ar livre, numa manta aos quadrados e cesta de verga recheada com os petiscos de que mais gostamos. Os dias deviam ser todos assim!


Bolo de azeite e espinafres

175g espinafres
180ml de azeite virgem extra
2 c.sopa sumo de limão
1 c.chá extracto baunilha
3 ovos
350g açúcar amarelo
250g farinha
225g farinha integral
3 c.chá fermento em pó

Num processador de alimentos, colocar os espinafres, azeite, extracto e sumo de limão, misturado em puré. Adicionar os ovos e o açúcar, continuando a processar. Numa taça, misturar as farinhas com o fermento. Fazer uma cova nos ingredientes secos e deitar o puré de espinafres, misturando até obter um preparado homogéneo. Deitar numa forma de bolo inglês untada e levar ao forno pré-aquecido a 180ºC durante 30mins. Fazer o teste do palito para ver se está cozido, retirar do forno e deixar arrefecer antes de servir.


The inspiring green that we breathe. Climbing the mountain only to admire the verdant fields across the valley. Meals outdoors with a picnic blanket and a basket filled with our favourite treats. Our days should always be like this!


Olive oil and spinach cake

175 g spinach
180ml evoo
2 tbsp lemon juice
1 tsp vanilla extract
3 eggs
350g brown sugar
250g flour
225g whole wheat flour
3 tsp baking powder

Add spinach, evoo, vanilla and lemon juice to food processor and blend to a puree. Add eggs and sugar. In a separate bowl whisk together flours and baking powder. Make a well in the dry ingredients and add the spinach mixture. Fold together until uniform. Pour into greased loaf pan.
Bake for about 30mins in a preheated oven to 180ºC. Check with a skewer to see if fully cooked.
Allow to cool before slicing.