segunda-feira, 18 de Abril de 2011

Jantar com cheirinho a Mediterrâneo


Para o jantar de sábado à noite resolvi facilitar a minha própria vida pois para domingo tinha planeado uma tarte de limão (cujo resultado será mais tarde partilhado). Assim sendo, inspirei-me na cozinha mediterrânica para preparar uma refeição vegetariana.

Ingredientes
1 alho francês
azeite
5 tomates maduros
2 colheres sopa de polpa de tomate
meio copo de vinho tinto
água
250g tagliatelle verde
sal
piri-piri
50g rúcula (opcional)
8 folhas manjericão fresco
1/2 barra queijo feta

Preparação
Cortar o alho francês em fatias fininhas e alourar no azeite. Juntar os tomates cortados em cubinhos, a polpa de tomate e o vinho e deixar estufar até o tomate estar bem desfeito e o molho ter consistência. Entretanto cozer a massa em água abundante e um pouco de azeite.
Juntar sal e piri-piri ao molho de tomate e provar. Retificar os temperos caso seja necessário. Adicionar a rúcula e 6 folhas de manjericão cortadas em pedacinhos. 
Escorrer a massa e colocar na taça de servir. Juntar as 2 restantes folhas de manjericão cortadas em pedacinhos. Por cima colocar o molho de tomate.
Cortar o feta em cubinhos e enfeitar por cima do molho (o feta pode ser marinado, logo no início da preparação, em azeite e oregãos secos - sugestão do Marco a incorporar na próxima vez).
Et voilá o resultado:


O jantar foi regado, as usual, por um bom tinto: Vale do Rico Homem.
Para sobremesa havia bolo de chocolate sem farinha, do qual ainda não partilhei a aventura culinária, embora tencione fazê-lo em breve, e que ficou uma verdadeira maravilha. Aqui fica um cheirinho da receita já "ratada" (prometo que no post que lhe dedicar coloco uma foto do bolo intocado):



quinta-feira, 14 de Abril de 2011

Agricultura na varanda

Já tinha mencionado no primeiro texto que na varanda lá de casa polulam vasitos com ervas aromáticas, especiarias, legumes e flores em franca expansão nuns míseros 5m quadrados. E porquê?
Tudo começou com as minhas férias na Madeira. Entusiasmada por todo aquele florescimento de enorme variedade em terra super-fértil resolvi importar (sim, porque na Madeira exporta-se para Portugal (?) lol) sementes de várias coisas, entre elas estrelícias, frésias, jarros negros, próteas e várias espécies de maracujás.
Embuída no espírito da agricultura, plantei-os em Outubro.

No Natal a Pi ofereceu-me uma mini-estufa de ervas aromáticas e a Andresa ofereceu-me, juntamente com os senhores Pinheirinha, o tão prometido morangueiro.

Depois veio o Marco com a sua menta para fazer mojitos.

Entretanto a minha mãoe ofereceu-me uns vasos do Pingo Doce com manjericão e com coentros, que rapidamente foram passados para vasos maiores.

E depois "assaltamos" o Ikea em abóboras, ervilha-doce, rabanetes, girassóis, chili, mais menta, coentros e manjericão, e ainda salsa, cebolinho e oregãos.

Entretanto a Andresa, e os senhores Pinheirinha, brindaram-me com um vaso de loureiro.

E nem o Continente escapou, pois numa ida para comprar sacos de terra ainda trouxemos tomate-roma e amores-perfeitos.

Estamos viciados! Quando passamos por lojas de sementes ficamos a ver as montras e a desejar viver numa casa com um grande quintal para podermos dar largas à nossa mais recente loucura: a agricultura! Sim, porque como é que a malta vai crescer abóboras numa varanda? O entusiasmo é tanto que às vezes nem se pensa :D

Mas abandonemos estas questões triviais de logística porque é o sonho que comanda a vida e portanto aqui ficam algumas fotos da agricultura na varanda. Ficam apenas a faltar fotos dos parapeitos do escritório e do quarto (eu avisei que a casa era um National Geographic em potência!):

Overview para a esquerda

Overview para a direita

Maracujá-laranja, frésia, maracujá-tomate, frésia, jarros negros e protéas

Lilases, girassóis (manhã e fim do dia), maracujá-banana e chili

Girassóis do fim do dia, ervilha-doce, abóbora e loureiro

Parapeito: rabanetes, morangueiro e estrelícia
Chão: mini-estufa, menta, manjericão, coentros e violeta

Close-up da mini-selva das aromáticas

terça-feira, 5 de Abril de 2011

Bolo de Limão "Pouco Trabalho"


Este fim de semana foi algo atarefado mas como já tinha ideias (desde a semana passada!) de fazer um bolinho, lá tentei encontrar uma receita que fosse simples e que cujos ingredientes se encontrassem à mão de semear lá por casa. 
Sabendo ainda que o Marco não gosta muito de doces mas que lá os vai comendo se forem à base de limão, fiz uma pesquisa pelas minhas receitas favoritas no site Vaqueiro "et voilá" a minha adaptação do original (que pode ser encontrado em http://www.vaqueiro.pt/receitas/detalhe/578/bolo-de-limao):

Ingredientes 
200g de açúcar demerara
250g de farinha c/ fermento 
250g de margarina
5 ovos 
2 limões (raspa fina e sumo)

Preparação
Ligar o forno nos 200 °C. 
Deitar todos os ingredientes na batedeira eléctrica e bater até estar tudo ligado (convém amolecer a manteiga previamente). Deitar numa forma untada com margarina e polvilhada com farinha e cozer no forno durante cerca de 40-45 minutos.

Para tanta modificação, até acabou por correr bem: bolo consistente, húmido e a saber bastante a limão (graças à raspa extra). A parte de cima ficou bem caramelizada, presumo que devido à troca do tipo de açúçar, e o bolo ficou castanho claro em vez do esperado amarelinho. 
Optei por não rechear nem cobrir com nenhum tipo de creme ou calda porque queria algo mesmo simples, fácil e o mais "light" possível, já que não deixa de ser um doce!
Para a próxima experimento utilizar margarina líquida (para ver se a massa fica mais fôfa e leve) e açúcar mascavado. Esta receita também deve funcionar muito bem trocando o limão por laranja e misturando na massa pedacinhos ou pepitas de chocolate negro.

Nota pessoal: ser mais expedita e tirar foto antes da comezaina!