segunda-feira, 29 de Agosto de 2011

"Comer" pelos cotovelos


Sábado. Primeiro dia de férias. Vontade de cozinhar: enorme! Foi dia de labuta intensa na cozinha: iogurtes de leite condensado, brioche de limão, canela e papoila, paparoca de morangos e, por último, a massa que aqui apresento - "Comer" pelos cotovelos. Os restantes pecados terão direito aos seus 5 minutos de fama noutras partilhas.

500g de massa cotovelos
azeite, sal, piri-piri
1 alho-francês
1/4 de pimento verde
4 tomates de rama (tamanho pequeno-médio)
250g de polpa de tomate
1 copo de vinho branco
1 embalagem de cogumelos frescos
4 fatias de presunto
parmesão ralado q.b.

Cozer a massa em água abundante com sal e azeite. Escorrer, passar por água fria até estar totalmente arrefecida e reservar.
No wok refogar o alho-francês e o pimento em azeite. Juntar os tomates partidos em cubinhos e deixar amolecer. Adicionar a polpa de tomate, o vinho, o piri-piri e o sal. Deixar levantar fervura e juntar os cogumelos. Cozinhar até o molho estar espesso e os cogumelos terem reduzido de tamanho e estarem cozinhados. Cortar o presunto em pedacinhos e adicionar ao molho. 
Envolver a massa no preparado anterior (utilizei metade da quantidade, a restante massa fica reservada no frigorífico para ser utilizada noutra receita). Servir com parmesão ralado.



domingo, 28 de Agosto de 2011

Semana do Brioche


Esta semana deu-me para isto: ao pequeno-almoço foi brioche todos os dias. Não, não estamos numa semana temática, apenas calhou assim. Por isso hoje tenho duas receitas para apresentar. Dois brioches. Um simples. Outro de limão, canela e sementes de papoila.


Brioche simples
280ml de leite (o original recomenda 275ml de água)
2 colheres-sopa de óleo vegetal
500g de farinha de brioche (utilizei a pré-preparada do Continente)

Colocar os ingredientes na cuba da máquina seguindo a ordem especificada pelo manual. Escolher o programa Básico ou Normal. Escolhi tostagem leve. Saiu um enorme brioche (durante a cozedura cresceu tanto que bateu na tampa da máquina) muito fôfo e saboroso.



Brioche de limão, canela e papoila
280ml de leite
2 colheres-sopa de óleo de linhaça
raspa de 1 limão
1 colher-chá de canela
4 colheres-chá de sementes de papoila

Colocar os ingredientes na cuba da máquina seguindo a ordem especificada pelo manual. Escolher o programa Básico ou Normal. Escolhi tostagem leve. À semelhança do anterior, este também ficou enorme e deixou um cheirinho simplesmente delicioso pela casa toda. Ficou super fôfo e bem aromático mas sem parecer um bolo. Brioche maravilha!



  

domingo, 21 de Agosto de 2011

Frittata de espargos, tomate e feta


Nesta casa, como nas outras, há coisas que estão sempre em stock. Uma delas é o queijo feta. Assim sendo, e porque sou fã de comida veggie e porque até tinhamos espargos, resolvi colocar em prática uma receita escolhida pelo Marco e que é relativamente simples, como podem comprovar:

3 colheres-sopa de azeite (e mais para untar)
2 alhos-franceses, cortados em lâminas finas
1 dente de alho, esmagado (não utilizei)
250g de espargos
6 ovos
100g queijo feta, cortado em cubos (usei meia barra da marca Dodoni)
4 colheres-sopa de queijo parmesão ralado na hora
175g de tomate-cherry (usei uma caixa e parti os tomates em metades)
sal e pimenta

Numa frigideira dourar os alhos franceses com o azeite, por 10 mins até ficarem tenros. Deixar arrefecer.
Cozer os espargos com sal, durante 2 mins. Escorrer, passar por água fria e secar com papel de cozinha. Cortar em pedaços de 5 cm.
Numa taça, bater os ovos e juntar o alho-francês, os espargos, o feta, metade do parmesão, sal e pimenta. Colocar esta mistura numa forma untada com azeite e espalhar o tomate-cherry. Polvilhar com o restante parmesão.
Levar ao forno pré-aquecido a 190º C durante 25-30 mins, até crescer e estar firme no centro (confesso que no meu caso este passo demorou cerca de 45 mins):


A receita original saiu daqui:

sábado, 20 de Agosto de 2011

O primeiro pão


Comprei uma máquina de fazer pão (MFP) porque fiquei entusiasmadíssima com as inúmeras possibilidades que a máquina dá. Assim sendo, e como em tudo, há sempre uma primeira vez. E claro, lá fiz o meu primeiro pão. Básico. Como não poderia deixar de ser, para uma primeira vez.

Pão de Soja
300ml água
2 colheres-sopa de óleo de girassol
500g de farinha de soja (usei do Continente, já pré-preparada)

Coloquei os ingredientes na cuba da máquina seguindo a ordem indicada no manual. Seleccionei o programa Básico (ou Normal) e escolhi o dourar intermédio.
Aqui estão as várias fases do processo:

O início
Amassar
Levedar
Resultado final
Fatias para o pequeno-almoço
A manteiga a derreter :)
Entretanto, o entusiasmo com a MFP ainda não esmoreceu e tem sido bastante utilizada. Mal tenha tempo vou colocando aqui as receitas (hoje estou a experimentar um pão integral de alfarroba, vamos lá ver como é que corre!).

quarta-feira, 17 de Agosto de 2011

O favorito do Miranda

E como não poderia deixar de ser, o primeiro pecado de trazer por casa a ser partilhado é um dos favoritos do Miranda que, apesar de não ser muito fã de doces, lá se deixou encantar por esta maravilha de chocolate sem farinha adaptada do original deste livrinho fabuloso:


A capa é precisamente a receita em questão e, a pedido de várias famílias, aqui ficam os detalhes:

300g chocolate de culinária (usei chocolate culinária gourmet Continente 85% cacau)
175g de manteiga (sem sal)
2 colheres-chá de essência de baunilha
225g de acuçar mascavado claro (usei apenas 200g)
5 ovos
6 colheres-sopa de natas espessas (usei natas de soja Pingo Doce)

Derreter o chocolate com a manteiga numa taça (utilizo sempre o microondas por preguiça de derreter em banho-maria), deixar arrefecer um pouco e misturar a essência de baunilha. Numa taça bater os ovos com o açucar e as natas utilizando um fouet. Aos poucos, adicionar a mistura arrefecida de chocolate e deitar numa forma redonda de mola, previamente untada. Não se preocupem com a liquidez da mistura final, é um bolo sem farinha! Colocar no forno a 180º C durante 45 mins:





Da primeira vez que fiz esta receita utilizei creme culinário Vaqueiro (cor de rosa) em vez das natas e também resultou muito bem. Ainda gostava de experimentar colocar essência de menta ou de café em vez da essência de baunilha, para ver como fica o resultado final em termos de sabor - com a menta presumo que fique um pouco à la After-Eight :)
Opinião geral lá de casa: o bolo é melhor quando sai geladinho do frigorífico, so hold your horses for the first slice!
O livro sugere que se apresente decorado com frutos vermelhos e que se sirva acompanhado de natas. Optei por servir simples:

Valise de carton

O Coentros & Rabanetes está de cara lavada pois desde ontem passou a ser um blog partilhado. Porque entre marido e mulher até se mete a colher. E o resto do faqueiro. E toda a parafernália da cozinha.
Assim sendo, e enquanto não acertamos agulhas sobre com que água lavar a cara do blog, ficamos nesta mistura de especiarias, a cozinhar em lume brando os pecados de trazer por casa.
Só espero que este tempo de nem-chove-nem-molha não desfaça a nossa "valise de carton"!