terça-feira, 31 de Julho de 2012

Bolos Lêvedos dos Açores

É daqueles destinos que está no meu imaginário. Adorava poder visitar todas as ilhas com tempo, conhecer recantos e pessoas, desfrutar das paisagens e da gastronomia, perder-me em maratonas fotográficas pelos trilhos que serpenteiam as montanhas. Adoro ilhas. Já tive o prazer de visitar a Madeira e na, Grécia, fiquei-me por Santorini e Naxos. Falta-me visitar Porto Santo. E as restantes ilhas gregas (tantas, tantas, tenho que arranjar um acordo com o Senhor-lá-de-cima e ver se posso ter um esquema tipo gato, com vidas extra para saltitar por tanta ilha, com tempo, para apreciar todas as particularidades de cada uma). E, com imensa pena minha, ainda me falta conhecer tudo nos Açores. E como se Maomé não vai à montanha, a montanha vai até Maomé, de cada vez que como um destes bolinhos sinto-me mais perto de chegar aos Açores :)
Bolos Lêvedos dos Açores
(adaptado de Manjar de Ideias Doces)

500+100g de farinha T65
125g de manteiga (utilizei Loreto, dos Açores)
120g de açúcar mascavado escuro
1+1/4 c. chá de fermento bio seco
200ml de leite morno
1 limão (raspa)
2 ovos

Numa taça colocar 500g de farinha e fazer uma cova no centro. Na cova deitar o açúcar, os ovos, a manteiga à temperatura ambiente e a raspa de limão. Misturar com uma colher de pau. Entretanto, dissolver o fermento no leite e juntar à massa, envolvendo sempre com a colher de pau. Passar a mistura para o processador de alimentos e, com o gancho da massa, deixar sovar bem. Se necessário, juntar um pouco mais de farinha.
Retirar e deixar levedar (dentro do microondas desligado) até duplicar de volume.
Fazer bolas do tamanho de uma laranja (se necessário, juntar mais um pouco de farinha para que a massa não se pegue às mãos) e colocar num tabuleiro enfarinhado. Deixar repousar durante 30 mins.
Aquecer uma frigideira anti-aderente, achatar as bolas e colocar na frigideira cerca de 5 mins para cada lado.
Servir quentes ou frios. Com queijo de ervas ou com linguiça picadinha. Por cá comemos estes bolos maravilhosos com quase tudo :)
Nota: da próxima vez que os fizer vou acrescentar 1 c. chá de sal pois parece-me que ficarão ainda mais saborosos.

domingo, 29 de Julho de 2012

Bola de linguiça, queijo, tomate e tomilho

Porque os dias não são todos iguais, fizemos um pic-nic ao almoço, a meio da semana. Rumamos ao Jardim Botânico e, à volta dos lagos, debaixo de uma frondosa sombra, assentamos arraiais. No cesto estavam iguarias: Queques de feta, manjericão e tomate-cereja, Bola de linguiça, queijo, tomate e tomilho e para sobremesa, Iogurtes de chocolate branco e manteiga de amendoim. Para beber, água bem fresca, pois o calor assim pedia. O regresso ao trabalho até soube melhor, depois de um almoço em modo de fim de semana :)
Bola de linguiça, queijo, tomate e tomilho
(adaptado de Queques de queijo, tomate e manjericão de 200 Receitas Cozinha Vegetariana)

150g de farinha com fermento
100g de farinha de milho
1/2 c. chá de sal
70g de queijo Emmental
50g de tomate seco em azeite
2 c. chá de tomilho seco
1 ovo batido
300ml de leite
2 c. sopa de azeite
3 linguiças frescas (do Leandro)

Peneirar as farinhas para uma taça e misturar com o sal, o queijo ralado, o tomate em pedacinhos e o tomilho. Fazer uma cova no cento e deitar o ovo batido com o leite e o azeite. Misturar bem (a massa deve ficar com grumos) e envolver 2/3 da linguiça cortada em rodelinhas. Colocar numa forma de bolo inglês, enfeitar com a restante linguiça e levar ao forno pré-aquecido a 200ºC durante 1h. 


Aproveitamos, mais uma vez, para deixar muitos beijinhos para a Anita, e esperamos que ela goste tanto desta sugestão como das que temos vindo a partilhar!

quinta-feira, 26 de Julho de 2012

"Brunchinner"

O que é que não podes comer ao pequeno-almoço? O almoço e o jantar! Mas as por vezes as coisas não são assim tão simples. Por vezes as refeições misturam-se, numa miscelânea de sabores, numa profusão de tentações. Porque é bom afastar a rigidez, contornar as regras, quebrar tradições. E sabe tão bem jantar um brunch...
"Brunchinner"

Ovos estrelados com sal e pimenta
Queijo amanteigado de ovelha e vaca
Queijo Brie
Fiambre fumado
Revilla picante
Mostarda
Ketchup
Chutney de manga

Pão Escuro de Boston
250ml de leite
5 c. sopa de melaço
1 c. chá de sal
175g de farinha integral T150
175g de farinha de trigo T65
50g de farinha de centeio
50g de farinha de milho
1+1/4 c. chá de fermento bio seco

Colocar os ingredientes na MFP pela ordem indicada no manual. Escolher o programa integral, seleccionando um pão de 750g e escolhendo a tostagem.


terça-feira, 24 de Julho de 2012

Salada quente de salmão e a vida boa

Sabemos que temos vida boa quando uma das constantes preocupações que nos ocupa a mente é o que fazer para o jantar, inovando, sendo criativos e respeitando os gostos de ambos. Quando a maior preocupação do fim de semana é decidir para onde vamos passear ou escolher entre as várias actividades que o bom tempo nos proporciona. Quando "discutimos" porque 2 (ou melhor 200) dedos de conversa nos atrasam para brincar com o sobrinho na praia. Quando ficamos indecisos entre as várias pequenas clareiras bucólicas onde estenderemos as toalhas para descansar na frescura das árvores. Quando o desastre do século foi uma comida que saiu menos bem. Sabemos que temos vida boa, ou melhor, maravilhosa, quando os dias são preenchidos de pequenos nadas que afinal são tudo. Porque simplesmente sabemos. E ainda assim, a vida é mesmo, mesmo boa :)
Salada quente de salmão

2 lombos de salmão
4 ovos
400g de grão de bico (cozido)
1/4 de pimento vermelho
1/4 de pimento verde
200g de tomate-cereja
1 punhado de azeitonas pretas
Sal e piri-piri
1 folha de louro
Salsa seca
Azeite
Vinagre de framboesa

Cozer os lombos de salmão em água temperada com sal e folha de louro durante 15 mins. Adicionar os ovos quando faltarem 10mins para tirar o salmão. Escorrer e reservar.
Aquecer o grão de bico cozido e colocar na saladeira. Adicionar o tomate cereja em quartos, os pimentos em bocadinhos, as azeitonas em rodelas, o salmão às lascas e os ovos em cubos. Temperar com azeite, vinagre de framboesa, salsa e piri-piri. Se necessário, rectificar o sal antes de servir.

domingo, 22 de Julho de 2012

Penne com dois queijos, favas e lima


Os dias já não são tão longos quanto a eternidade. Cada dia que avança o sol desaparece mais cedo, apesar do calor intenso que se faz sentir. E ainda assim parece que tudo vive mais e aproveita mais o que a natureza dá. Hoje voltamos à Serra da Freita. Almoçamos no Júlio, as always, e partimos serra acima, no encalço de um local paradisíaco, com sombra, paz e sossego no meio da natureza. E numa daquelas descidas íngremes encontramos o que procurávamos. Ali o tempo passa mais devagar e o declínio do grande astro passa despercebido ante a sombra do arvoredo. Na hora de voltar à civilização o corpo parece mais pesado e recusa-se a obedecer ao cérebro. Porquê sair quando se está tão bem aqui???
No regresso, e de volta a casa, a natureza deu o mote e conduziu a inspiração numa dança delicada.


Penne com dois queijos, favas e lima

500g de penne
400g de favas congeladas
150g de queijo Brie
250g de queijo Ricotta
300ml de natas de soja
Sal e Pimenta
1 lima (raspa)

Cozer a massa em água a ferver temperada com sal. Escorrer, passar por água fria e reservar. Reservar  também alguma água da cozedura
Cozer as favas em água a ferver temperada com sal. Escorrer e reservar.
No tacho onde a massa foi cozida, colocar as natas com os dois queijos em lume médio, mexendo enquanto derretem e se mistura. Se necessário, juntar água da cozedura da massa para tornar o molho um pouco menos espesso. Assim que a mistura estiver suave, temperar com sal e pimenta preta. Adicionar a raspa da lima. Envolver a massa e as favas e servir simples ou polvilhado com parmesão ralado ou miolo de noz picado.


Nota: a suavidade e cremosidade do molho fazem com que a massa e as favas casem muito bem. A raspa de lima dá um toque surpresa ao sabor, especialmente na primeira garfada, ligando perfeitamente com o Brie.


quinta-feira, 19 de Julho de 2012

Risotto cremoso de ervilhas e hortelã com brie


Há dias em que folheamos a nossa biblioteca de culinária e marcamos receitas para fazer. A lista do supermercado vai-se compondo e as nossas ideias para a semana também. Foi num desses dias que marquei este risotto. Quem os faz é Senhor Dom VelSatiS que nunca o tinha encontrado pois tem alguma aversão aos livros de cozinha vegetariana. Por isso cá em casa quem normalmente faz as 3 refeições vegetarianas da semana sou eu. Mas desta vez troquei-lhe as voltas e mostrei-lhe que também ele encontra boas sugestões nesta secção da biblioteca, expandindo assim a sua bela colecção de risottos :)


Risotto cremoso de ervilhas e hortelã com brie
(adaptado de 200 Receitas - Cozinha Vegetariana)

1,5 litros de caldo de legumes
50g de manteiga
1 cebola grande
2 dentes de alho
1 chávena almoçadeira de arroz arborio
150ml de vinho branco
400g de ervilhas
1 punhado de folhas de hortelã
75g de queijo Brie
Sal e pimenta preta
Queijo Parmesão

Fazer o caldo (ou aquecer, se tiver sido preparado noutra altura). Picar finamente a cebola e esmagar os alhos. Numa frigideira de grandes dimensões derreter a manteiga e adicionar a cebola, os alhos e a pimenta, refogando em lume baixo durante 10mins, até que a cebola esteja macia. Acrescentar o arroz e mexer durante 1min. Deitar o vinho e deixar levantar fervura por 2mins, até que esteja completamente absorvido. Juntar as ervilhas e mexer. Deitar um pouco de caldo sobre o arroz e mexer constantemente, em lume médio, até estar completamente absorvido. Continuar a adicionar pequenas porções de caldo sem parar de mexer, durante cerca de 20 mins, até o arroz estar al dente e o caldo absorvido. Retirar a frigideira do lume, juntar a hortelã em pedacinhos, o Brie em cubinhos e mexer. Servir com parmesão ralado na hora.


Receita por VelSatiS

terça-feira, 17 de Julho de 2012

Granola caseira e um batido para um pequeno almoço de fim de semana


Dos sabores favoritos: chocolate e manteiga de amendoim. Poderia ser quase considerado um vício. Como tantos outros vícios alimentares de coisas que em casa nunca podem faltar (queijo feta, iogurte grego, beterraba, Reese's, pão, etc.). Mas este vício foi mais longe, conseguimos esticá-lo. Estamos em fases de teste para saber como se comporta perante os desafios (queques, iogurtes, panquecas, etc.). Até agora temos saídos vencedores deliciados. 


Batido de banana, chocolate e manteiga de amendoim

1 banana madura
300ml de leite magro
1 c. sopa de chocolate amargo em pó
1 c. sopa de manteiga de amendoim

Colocar todos os ingredientes num processador de alimentos e bater até obter uma mistura suave e cremosa.


Granola caseira de chocolate negro e manteiga de amendoim
(adaptado de A Little Bit Crunchy A Little Bit Rock and Roll: Dark Chocolate Granola with Peanut Butter)

8 chávenas de flocos de aveia
5 c. sopa de açúcar mascavado escuro
5 c. sopa de mel escuro
6 c. sopa de sumo de amora
1 c. sopa de óleo de sésamo
1 c. sopa de óleo de amendoim
1 c. sopa de manteiga de amendoim
4 quadrados de chocolate negro
4 mão cheia de amendoins/nozes/avelãs/amêndoa palitada
2 c. sopa de sementes de linhaça
2 c. sopa de sementes de sésamo
2 c. sopa de sementes de girassol
2 c. sopa de gérmen de trigo
1 pitada de flor de sal

Aquecer o forno a 140ºC. Numa panela deitar o açúcar , o mel, o sumo, o sal, os óleos, a manteiga de amendoim e o chocolate e deixar levantar fervura para derreter o açúcar e o chocolate. Retirar do lume e misturar os restantes ingredientes, envolvendo bem. Espalhar num tabuleiro untado com óleo vegetal e levar ao forno durante 1h, mexendo de 15 em 15 mins. Deixar arrefecer e guardar num recipiente hermético.


quinta-feira, 12 de Julho de 2012

Massa recheada em molho cremoso de tomate, beringela e manjericão


Já sabia o que seria o jantar: massa recheada temperada com azeite e ervas. Simples mas delicioso, daquelas refeições em que um enorme prato parece pequenino aos olhos de um estômago apaixonado. Nos "entretantos", passei os olhos por alguns blogues, como habitualmente faço e deparei-me com esta refeição. E aquilo que há 5 mins era uma certeza foi revogado, qual lei no parlamento, sem apelo nem agravo. E ainda bem que a Diana demorou 3 anos a experimentar esta receita!


Massa recheada em molho cremoso de tomate, beringela e manjericão
(adaptado de In the mood for food)

250g de tortellini recheado com espinafres e ricotta
250g de tortellini recheado com presunto
1 beringela
Azeite
1 dente de alho
Uma mão-cheia de folhas de manjericão fresco
1 lata de 400g de tomate inteiro pelado
1 c.sopa de vinagre balsâmico
100g de queijo Emmental

Cortar a beringela em cubos e saltear, num tacho, com algum azeite durante aproximadamente 5 minutos ou até ficar dourada. Adicionar o alho esmagado. Picar grosseiramente as folhas de manjericão. Juntar o tomate às beringelas desfazendo com a ajuda de uma colher de pau. Temperar a gosto, juntar o vinagre e o manjericão picado. Com a varinha mágica triturar muito bem o molho. Entretanto cozer a massa fresca. Servir a massa polvilhada com metade do queijo ralado, regada com o molho e novamente polvilhada com o restante queijo.

Notas: apenas foi utilizada metade da quantidade do molho, o restante ficou reservado para outra refeição. Foi utilizado queijo Emmental por ser mais suave do que o parmesão e porque não tinham sido colocadas as anchovas (das quais Mr. VelSatiS não é muito fã)

terça-feira, 10 de Julho de 2012

Porco com salada de maçã vinagrada


Há combinações de sabores que gostamos mais ou menos, mas há também aquelas que são perfeitas. Que repetimos vezes sem conta, com pequenas alterações aqui e ali mas deixando a sua essência intacta. Sabores perfeitos que nos despertam os sentidos, que nos apaixonam irremediavelmente para todo o sempre. Porque uma refeição é muito mais do que alimentar o corpo para garantir a sobrevivência. E ainda bem!

Chefes, à faca....
4 lombos de porco
4 maçãs
1 alho francês
10 folhas de manjericão
2 endívias (ou alface)
50g manteiga
2 dentes de alho
1 raminho de rosmaninho
Vinagre de framboesa
Azeite
Sal
Pimenta

Temperar os lombos com sal e pimenta, e colocar numa frigideira em lume médio com azeite. Adicionar o alho, a manteiga e envolver bem. No fim adicionar as folhas de manjericão e deixar no lume até as mesmas estarem secas.
Cortas as maçãs em tiras deixando a pele (para evitar que estas se desfaçam). Numa frigideira alourar o alho-francês para juntar a maçã e temperar com sal, pimenta e adicionar o rosmaninho. Adicionar a endívia em juliana e um pouco de vinagre. Terminar com um pouco de azeite.
Bom trabalho Chefe e bom apetite!!!

Receita por VelSatiS

segunda-feira, 9 de Julho de 2012

Caril de peixe


Para quem gosta de comida indiana. Ou simplesmente para quem gosta de comer. Uma irresistível explosão (controlada!) de sabores, em que cada garfada chama insistentemente pela seguinte. Um dos nossos favoritos...


Caril de peixe

2 c. sopa de óleo de amendoim
1 cebola
1 malagueta vermelha
1 dente de alho
5cm de raiz de gengibre
1 c. sopa de cominhos moídos
1 c. copa de coentros moídos
1 c. chá de açafrão
1 c. chá de garam masala
400g de tomate pelado
400ml de leite de coco
4 filetes de pescada
18 delícias do mar
Coentros frescos
400g de arroz basmati
750ml de água
1 noz de manteiga
Sal

Numa frigideira de grandes dimensões alourar a cebola finamente picada com o óleo de amendoim durante cerca de 10 mins. Juntar a malagueta picada e sem sementes, o alho esmagado, o gengibre, as especiarias e refogar durante mais um pouco. Adicionar os tomates em pedacinhos e o leite de coco, temperar com sal e deixar levantar fervura para de seguida deixar o molho engrossar, cozinhando em lume médio durante cerca de 15 mins.
Entretanto, lavar muito bem o arroz e num tacho com água deixar levantar fervura. Reduzir para lume meio-brando e cozinhar por cerca de 15 mins. Adicionar a manteiga, retirar do lume e deixar descansar durante 5 mins antes de servir.
Introduzir os filetes de pescada no caril e, 10 mins depois, adicionar as delícias. Rectificar os temperos, polvilhar com os coentros picados e servir com o arroz.

domingo, 8 de Julho de 2012

Panquecas BPM com salada rosada



Das coisas simples do dia. Chegar a casa, espreitar aqui e ali, e tudo parece fácil, como se os astros se alinhassem para uma simples refeição. Nem sempre é assim, mas tem dias que as ideias vão surgindo com o passar das horas e, com o coração a 1000 batimentos por minuto (BPM), já só queremos chegar a casa para executar aquilo que a mente vai "cozinhando". E sentados (com os astros à mesa) é fácil degustar as coisas simples do dia. Todos os dias :)


Panquecas BPM com salada rosada

2 chávenas (300ml) de farinha
2 c. chá de fermento
1 c. chá de sal
2 ovos
1+1/2 chávena de leite
70g de margarina líquida
200g de bacon
1 cebola
1/4 de pimento vermelho
1/4 de pimento verde
200g de milho
1 beterraba cozida
150g de tomate-cereja
150g de queijo de cabra
1 endívia
Azeite e vinagre de framboesa
Piri-piri

Numa frigideira média alourar o bacon, adicionando depois a cebola e os pimentos. Entretanto, misturar a farinha, o fermento e o sal numa taça e bater os ovos com o leite e a margarina noutra taça. Juntar os sólidos aos líquidos, mexer bem com um fouet e reservar. Quando a cebola, os pimentos e o bacon estiverem torradinhos, escorrer e deixar arrefecer um pouco.
Entretanto preparar a salada: cortar a beterraba em cubinhos, os tomates em quartos e misturar com o queijo de cabra esfarelado. Temperar com azeite, vinagre e piri-piri a gosto.
Misturar o milho e a mistura dos pimentos na massa das panquecas e deitar duas colheres de sopa na frigideira anterior. Cozinhar em lume médio até a superfície ganhar bolhinhas. Virar e terminar de cozinhar. Antes de servir, cortar as panquecas em quartos.
Acompanhar com a salada servida nas folhas de endívia.


Nota: as massa das panquecas (de todas as que fazemos) é adaptada do livro nas fotografias.

quinta-feira, 5 de Julho de 2012

Frango picante com mel e uma mulher com sorte


Cozinhar todos os dias pode ser muito interessante e compensador - num universo idílico! Nem sempre temos a disciplina (nem que seja só mental) de planear as refeições da semana, de ir comprar todos os ingredientes ao mercado, de inovar, de experimentar, de surpreender com receitas novas. Só porque sim. Só porque por vezes também somos preguiçosos. Só porque por vezes temos outras coisas para fazer. Só porque, porque, porque... E apesar de cá em casa as coisas estarem sempre bem encaminhadas e semi-planeadas, tem dias que só apetece atirar a carteira para o chão e comer uma enorme taça de cereais, ou dar uma escapadela a um dos restaurantes mais próximos. 
Mas ele, de nome VelSatiS, tem a capacidade de me surpreender com os ingredientes mais básicos. E folheia os nossos livros, vê videos na net, pesquisa, procura e encontra. Para que ao final do dia me possa brindar com um mimo repleto de coisas boas (sabores, sentimentos, e muito mais...)
Há mulheres com sorte, não há? :)


Chefes, à faca....
4 peitos de frango
1 cebola
100ml vinho branco
500g batata
Oregãos

Mel Picante:
2 c. sopa de chutney de manga
1 c. sopa de mel claro
2 c. chá de molho Inglês
1 c. chá de pasta de alho
1 c. chá de molho piri-piri
2 c. sopa de vinagre de vinho tinto
2 c. chá de mostarda integral
Sal
Pimenta 


Fazer três golpes nos peitos de frango e colocar a cozer num tacho com um pouco de azeite. Regar com o vinho branco e, quando este tiver evaporado, juntar o molho de mel cobrindo bem o frango. Deixar em lume brando até completar a cozedura.
Num tacho com água quente, azeite e sal cozer as batatas já descascadas e cortadas até semi-cozidas. Terminar a preparação das batatas salteando as mesmas numa frigideira com azeite e oregãos.
Cortar a cebola em rodelas e fritar as mesmas numa frigideira com azeite. Pode também colocar-se um pouco de vinagre de framboesa.
Para o Mel Picante, misturar bem todos os ingredientes e regar o frango.

Bom trabalho Chefe e bom apetite!!! 



Receita por VelSatiS
Introdução por Ondina Maria

quarta-feira, 4 de Julho de 2012

Receita para dias felizes

Poderia resumir-se a uma só palavra: férias. Mas é tão mais do que isso... E apesar de este ser um blogue de culinária, nem só de comida vivem os seus autores. Por isso partilhamos convosco um pouco do que andamos a fazer durante duas maravilhosas semanas. Venham mais!!!! Cinco???? :p

Por motivos profissionais, arrancamos não do Porto mas de Oeiras. Seguindo pela Avenida da Marginal passamos pelo Estoril e por Cascais, com a sua belíssima baía. O almoço fez-se bem próximo, com peixe fresco e conversa em modo acabamos-de-entrar-de-férias.


Seguimos a estrada serpenteante rumo à Boca do Inferno, uma paragem obrigatória. E um gelado geladinho, para afastar o calor (infernal????) que se fazia sentir apesar da ventania que nos brindou com um novo penteado.


A caminho do Guincho, nova paragem. A cor da água foi balsamo para o olhar cansado dos ecrãs de computador. Foi difícil levantar ancora, mas seguimos na certeza de que mais à frente seriamos recompensados.


Quem corre por gosto não cansa. E o nosso ET voou livre e feliz pelo asfalto. Um pequeno desvio levou-nos à ponta mais ocidental do continente europeu. "Aqui, onde a terra se acaba e o mar começa...", escreveu Camões sobre o Cabo da Roca.


E continuando os desvios, fomos numa incursão até à Azenhas do Mar, na vila de Colares, cujas casas na encosta nos fizeram lembrar as ilhas Gregas. Os pés foram a banhos. Mas a água fria e o vento forte impediram aventuras aquáticas de maior envergadura.


Chegados a Sintra. Com muito para ver e muito para comer. Entre lendas sobre princesas e mistérios perdidos nas brumas do nevoeiro. Na cidade-romance deambulamos pelas ruelas esguias e inclinadas e visitamos o Palácio da Pena e o Challet da Condessa (onde teríamos ficado a morar, de muito bom grado), Castelo dos Mouros, o Palácio Nacional de Sintra, a Quinta da Regaleira (adoramos os túneis subterrâneos e os poços) e a Piriquita (para as queijadas e travesseiros de Sintra). Para uma próxima visita deixamos o Palácio de Monserrate e Convento dos Capuchos, o Museu do Brinquedo, entre outros.


E porque o mundo não acaba em Sintra (mas se acabasse seriamos igualmente felizes!), descemos a Lisboa para visitar os amigos. E ainda houve tempo para calcorrear as muralhas do Castelo de S. Jorge, deambular pelas ruelas da Baixa e almoçar um belo bacalhau assado algures nos limites do Bairro Alto. Antes de voltarmos ao Porto, e a tempo do S. João, desviamos (denota-se um padrão no nosso percurso...) o rumo para Belém, de olhos, boca, nariz (e tudo, tudo, tudo!!!!) filados no pecado da gula pelos Pastéis. Pequenos pecados de prazer, numa fornada acabadinha de fazer!


De volta ao Norte, entramos na semana do "dolce fare niente". E como foi bom... Numa bela tarde de brisa suave e fresca perdemo-nos de amores pelos extensos areais da zona de Esmoriz.


E algures entre Cortegaça e o Furadouro, o Norte surpreendeu-nos com a sua generosidade: fizemos as pazes com as águas (não tão geladas) após um desencontro de 20 anos.


Praia e floresta no mesmo local, numa semelhança com Caminha, que teve direito a uma visita de cortesia para um almoço em família no último dia do descanso dos guerreiros. Mas prometemos voltar, como sempre voltamos, para desfrutar do Minho com todo o tempo do mundo. E prometemos também voltar às outras paragens a sul do rio Douro. Porque se deve sempre voltar aos locais onde fomos felizes :)


Ondina Maria & VelSatiS