sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Bife do lombo à diabo com polenta de ervas grelhada

Estes são tempos de mudança. 
De mudança de estação. Dissemos adeus ao Verão, que apenas deu um ar de sua graça, para acolhermos o Outono em todo o seu esplendor, repleto de sabores e cores que confortam a alma.
De mudanças gerais na sociedade. E neste tema não vamos tecer considerações pois "cada cabeça sua sentença".
De mundanças de paradigmas. Há que saber aceitar que o que lá vai, lá vai, e abraçar com espírito positivo o que está para vir. 
A mudança é algo natural. Faz parte da vida. O mundo (em toda a sua complexidade) está em constante mudança. Se não for ao nível macro, que nos afecta directamente, será a um nível micro, que eventualmente acabará também por nos afectar. Mas sim, tudo muda a todos os milésimos de segundo e portanto não vale a pena tentar combater algo que é tão evidente, necessário e benéfico. 
Por cá também teremos mudanças. Grandes ou pequenas, ainda não sabemos. O tempo dirá. Apesar de tudo há sempre algo permanece constante. A vontade de evoluir, experimentar, melhorar, surpreender. A vontade de comer melhor e mais diversificado, respeitando a sazonalidade e aproveitando o que de bom nos trazem as estações. A vontade de ficar por cá tendo sempre a vossa companhia...


Bife do lombo à diabo com polenta de ervas grelhada
(ambos adaptados de 200 Receitas - Pratos italianos)

4 bifes do lombos (aprox. 175g cada)
2 c. sopa de azeite
2 c. sopa de vinagre balsâmico
75ml de vinho tinto encorpado
1/2 caldo de carne
4 c. sopa de água
2 dentes de alho esmagados
1 c. chá de sementes de funcho esmagadas
1 c. sopa de tomates secos bem picados (quase em pasta)
1/2 c. chá de malaguetas secas esmagadas
Sal e pimenta

750ml de água
225g de polenta instantânea
2 c. sopa de salsa
2 c. sopa de manjericão
2 c. sopa de rúcula selvagem
4 c. sopa de parmesão ralado

Começar por preparar a polenta: colocar a água num tacho e deixar levantar fervura. Adicionar a a polenta de forma lenta mas contínua, mexendo vigorosamente com uma colher de pau para impedir a formação de grumos. Adicionar as ervas, o parmesão, sal e pimenta, deixando cozer em lume brando durante 5 mins, mexendo constantemente, até que esteja espessa e descole das paredes da caçarola. Enformar a polenta numa forma de bolo ingês com capacidade para 1kg. Deixar arrefecer à temperatura ambiente, desenformar e cortar em fatias grossas. Pincelar as fatias com azeite e grelhar 1 min de cada lado num grelhador bem quente.
Entretanto, preparar os bifes, aquecendo o azeite numa frigideira anti-aderente e cozinhando-os 2 mins de cada lado em lume bastante alto até estarem no ponto (bem passados por fora e suculentos por dentro). Reservar num prato, temperar com sal e pimenta e colocar outro prato por cima para conservar a temperatura, mantendo-os sempre próximo do fogão. Colocar o vinagre na fridigeira com o vinho, o caldo e a água e deixar ferver durante 30s, soltando qualquer resto que possa ter ficado agarrado ao fundo. Juntar o alho, o funcho, o tomate seco e as malaguetas. Deixar levantar fervura rápida e manter a temperatura até o molho reduzir e espessar.
Empratar os bifes e incorporar os sucos libertados no molho, temperando com sal e pimenta. Regar os bifes com o molho terminado e servir de imediato com a polenta.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Massa fresca de tomate

Continuamos em modo "simplicidade". Massas caseiras, ingredientes frescos, sabores despojados. Um regresso aos básicos, por assim dizer. Apreciar com clareza as texturas, as combinações essenciais, as cores e os aromas. Os básicos permitem sentir aquilo que se come até aos mais ínfimo pormenor. E em cada garfada há sempre algo de novo mas que nos é familiar. 


Massa fresca de tomate com emmental, rúcula e tomate-cereja
(receita de massa fresca adaptada de Sabores de Canela)

400g de farinha de trigo
1 ovo
3 c. sopa de concentrado de tomate
1 c. chá de sal fino
100g de emmental
250g de tomate-cereja
100g de rúcula
Azeite, sal e pimenta

Para preparar a massa colocar a farinha, o ovo, o concentrado de tomate e o sal num processador de alimentos e, com o gancho de massa, ligar na posição mínima até obter uma bola. Retirar a taça do processador, cobrir com um pano e deixar descansar durante 30 mins. Findo esse tempo, dividir a massa em quatro porções e transformar cada uma num rolo. Cobrir 3 porções e, numa superfície enfarinhada, estender a quarta porção. Dobrar a massa em 3 partes, virar a 90º e fazer passar pelos cilindros da máquina abertos na posição máxima. Repetir este processo 8 a 10 vezes ou até que a massa fique macia, elástica e aveludada. A partir daqui não se dobra mais a massa. Reduzir a distância dos cilindros numa medida e passar a massa. Repetir, apertando as medidas até se obter a espessura desejada. Deixar a placa de massa secar durante 10 mins (entretanto pode preparar-se uma nova placa). Findo esse tempo, passar a placa pelo cortador de tagliatelle. Separar cada tirinha e pendurar num cabo para secar. Prosseguir da mesma forma para a restante massa. 
Cozer a massa em água a ferver até estar al dente. Colocar num escorredor e escorrer ligeiramente, devolvendo à panela de cozedura. Temperar com sal e pimenta moídos na hora, regar com um fiozinho de azeite e servir polvilhada com o emmental ralado, a rúcula e os tomates-cereja partidos em quartos.
Receita por Ondina Maria & VelSatis

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

No knead Diavola pizza

O pão e as suas mais variadas formas. O alimento primordial e milenar que mesmo nos dias de hoje assume uma importância vital na nossa alimentação. A história do Homem é acompanhada pela história do pão, numa relação de amor eterna que, com os seus frutos diários, alimenta pessoas de todos os estratos sociais. O nosso pão quer-se caseiro, independentemente da forma que assuma. E porque precisamos de pizza como de pão para a boca, esta fez-se de um pão fofo e macio, como se milénios de tempo tivessem sido empregues na sua confecção.
No knead Diavola pizza
(massa adaptada da sempre talentosa Joy the Baker)

2+3/4 chávenas de farinha para pão
1 chávena de farinha de trigo integral
2+1/2 c. chá de fermento bio seco
3/4 c. chá de sal
3/4 c. chá de açúcar
1+1/2 chávena de água morna
Molho de tomate e manjericão q.b.
Fatias de revilla picante
Queijo emmental ralado
Rúcula

Numa taça média misturar as farinhas, o fermento, o sal e o açúcar. Adicionar a água morna de uma só vez e misturar bem com uma colher de pau. Tapar com película aderente e deixar levedar no microondas (previamente aquecido, vazio, durante 1 min na potência máxima) durante 2h. Untar um tabuleiro de forno com óleo e estender a massa da pizza com os dedos até ocupar toda a superfície plana do tabuleiro. Cobrir a massa com o molho de tomate, espalhar as fatias de revilla e polvilhar com o queijo ralado. Levar ao forno pré-aquecido a 220º C, durante pelo menos 20 mins. Retirar do forno, deixar arrefecer um pouco e servir polvilhada com rúcula.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Mozzarella em carrozza com legumes grelhados

Em modo italiano. Dolce fare "muolto". Mas com simplicidade e rapidez consegue-se uma refeição suculenta, repleta de sabores. E enquanto ainda estamos indecisos, com um pé no Verão e outro no Outono, vamos usando e abusando daquilo que este meio termo nos oferece!
Mozzarella em carrozza com legumes grelhados
(adaptado de 200 receitas - Pratos italianos)

3 ovos batidos
3 c. sopa de leite
50g farinha
200g de mozzarella
16 fatias de revilla picante
8 fatias de pão branco sem côdea
12 folhas de manjericão
4 c. sopa de azeite
Sal e pimenta
2 curgetes fatiadas longitudinalmente
1 beringela fatiada longitudinalmente
1 pimento amarelo em tiras
1 pimento vermelho em tiras
100ml de azeite
1 pitada de malaguetas secas esmagadas
1 mão cheia de folhas de manjericão

Envolver bem todos os legumes, previamente arranjados, em duas colheres de sopa de azeite. Aquecer bastante uma chapa de grelhar e colocar as curgetes e as beringelas 3 mins de cada lado. Colocar numa taça com o azeite e as malaguetas. De seguida grelhar os pimentos 4 mins de cada lado e juntá-los à mistura anterior. Temperar com sal e com o majericão, cobrir e deixar marinar durante 30 mins enquanto se prepara o pão.
Num prato fundo, misturar os ovos com o leite e temperar com sal e pimenta. Noutro prato fundo colocar a farinha.
Cortar o mozzarella em fatias e dividi-las por 4 fatias de pão, cobrir com cada pão com 4 fatias de revilla e 3 folhas de manjericão. Tapar com as restantes 4 fatias de pão e pressionar bem com a palma da mão. 
Aquecer o azeite numa frigideira de grandes dimensões. Passar as sandes por farinha e seguidamente pelo ovo, de forma a que fiquem totalmente cobertas. Colocar as sandes na frigideira 4 mins de cada lado, para ficarem douradas e estaladiças. Servir com os legumes grelhados.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Panquecas fofas de kefir

As panquecas são sempre bem vindas. Doces ou salgadas, fofas ou finas tipo crepe, de manhã, à tarde ou à noite. Ao fim de semana, são preparadas e saboreadas ainda quentinhas, acabadas de fazer. À semana, são preparadas após o jantar, para nos fazerem companhia ao pequeno almoço ou durante as pausas do trabalho. Claro que não resistimos e algumas são provadas na hora. Mas já por isso é que fazemos estas "pilhas" enormes! :D


Panquecas fofas de kefir
(adaptação da receita de sempre)

2 chávenas de farinha sem fermento (1 integral + 1 normal)
2 colher-chá de fermento em pó
1/3 chávena de açúcar baunilhado
2 ovos
1 1/2 chávena de kefir
70g de margarina líquida (Vaqueiro)

Numa taça média bater os ovos, o kefir e a margarina com um fouet. Adicionar a farinha, o fermento e o açúcar previamente misturados e mexer vigorosamente até se obter uma massa uniforme.
Numa frigideira de pequenas dimensões, colocar 1 concha de sopa de massa para cada panqueca: 2 minutos de cada lado em lume médio e estão prontas a servir. Podem ser acompanhadas com fruta, iogurte, mel, etc. Por cá preferimos barrá-las com manteiga de amendoim (normal, de mel, de chocolate negro ou de chocolate branco) ou com Nutella!

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Souvlaki de frango

Não raras são as vezes em que as melhores coisas são as mais simples. E a comida não é excepção. Não são necessários muitos ingredientes nem mascarar os sabores com misturas ou mistelas. Não é preciso muito (tempo, dinheiro, trabalho...) para que uma refeição seja excelente e saborosa. Por vezes está tudo ali, bem à mão de semear. 
Keep calm and keep it Greek :p
Souvlaki de frango

Frango de churrasco
Rúcula q.b.
Tomate fatiado em quartos
Tzatziki
1 pepino
200g de iogurte grego 10% de gordura
2 colheres de chá de pasta de alho (ou 2 dentes de alho bem ralado)
1 colher de sopa de sumo de limão
hortelã fresca picada (opcional)

Preparar o pão pita conforme a receita no link acima indicado.
Para preparar o tzatziki, cortar o pepino longitudinalmente em duas metades. Com uma colher, retirar as sementes e descartar. Ralar o restante pepino para um coador e polvilhar com sal, deixando repousar durante 15 mins numa taça para que a água escorra. Entretanto, misturar o iogurte com o alho e o sumo de limão. Passar o pepino por água fria e escorrer muito bem contra o coador para retirar os excessos de humidade. Juntar ao preparado de iogurte, misturando muito bem, e reservar no frigorífico até servir.
Servir os souvlaki da seguinte forma: cobrir o pão pita com um punhado de rúcula, adicionar 3 a 4 fatias de tomate, dispor o frango desfiado e terminar com 2 a 3 colheres de tzatziki. Fechar o pão unindo duas extremidades opostas e saborear...

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Pela Beira

Depois de uma semana pela costa e ao nível do mar, seguimos rumo ao alto interior. Percorremos caminhos serpenteantes até ao ponto mais alto de Portugal Continental: 1993m de altitude, por paisagens deslumbrantes de retirar o fôlego (literalmente!), com paragens de descoberta ou de repasto, desde a mais modesta das tascas até ao restaurante de Chef. Andamos pela Beira, apreciando o que de melhor nos dá este país de pessoas simpáticas, locais belíssimos e produtos regionais muito para lá do saborosos. Descansou-se q.b., passeou-se bem e comeu-se ainda melhor :)
Sé @ Viseu
Casa de Pasto "A Marisqueira" @ Viseu


Tasquinha @ Viseu
Igreja da Misericórdia @ Seia
Museu do Pão @ Seia


Torre e Túnel @ Serra da Estrela
Estrada @ Serra da Estrela
Estrada @ Serra da Estrela
Nossa Senhora da Boa Estrela @ Serra da Estrela
Vale Glaciar do Zêzere e Manteigas @ Serra da Estrela
Vale Glaciar do Zêzere e Manteigas @ Serra da Estrela
Covilhã @ Estalagem Varanda dos Carqueijais / Hotel dos Carqueijais

Igreja paroquial @ Valhelhas
Castelo @ Belmonte
Judiaria @ Belmonte


Centum Cellas @ Belmonte

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

"Pola Costa"

A primeira semana de férias fez-se em viagem constante "por todas as estações e apeadeiros". Paragens aleatórias ou programadas, descobertas deslumbrantes, praias quase desertas com areais a perder de vista, recantos arrebatadores que nos roubaram partes da alma. Sempre pela costa (ou "pola costa") entre o Porto, Portugal e Muxias, Espanha, fomos descobrindo um mundo de caminhos e camiños com paisagens de perder o fôlego, com pessoas simpáticas e uma paz que nos revela que se a vida for saboreada ao milésimo de segundo, cada momento é eterno...
Forte @ Baiona
@ Baiona
Sanxenxo @ Portonovo
Praia algures @ Bascuas
@ Isla de Arousa
Algures entre Vilanova de Arousa e Porto de Son
@ Porto do Son
Vista do quarto @ Hotel Praia de Quenxe, Corcubión
Costa da Morte @ Finisterra
Costa da Morte @ Finisterra
@ Cabo Finisterra
Igreja paroquial @ Finisterra
No meio de lado nenhum onde nem o GPS reconhece a estrada
@ Praia da Arnela
Algures entre Castromiñán e Cuño
@ Praia de Lourido
@ Praia Boca de Rio, Carnota
@ Praia Boca de Rio, Carnota
@ Praia Boca de Rio, Carnota
@ Praia Boca de Rio, Carnota